Contato via e-mail

Preço da energia preocupa construção civil, que já sofre com alta dos insumos

Alumínio, cimento e aço devem ser os materiais mais afetados

Folha de S.Paulo
Por: Ana Luiza Tieghi

 

O aumento de mais de 20% na bandeira vermelha da conta de luz, informado nesta terça (15) pelo diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone, preocupa o setor da construção civil.

O principal impacto deve vir por meio dos materiais utilizados nas obras. Alguns deles demandam alto consumo de eletricidade durante a fabricação e esse custo deverá chegar aos canteiros.

O alumínio é apontado como a matéria-prima que mais demanda energia, com cerca de 50% do seu custo de produção atribuído ao consumo de eletricidade, seguido pelo cimento e o aço.

“O alumínio é um material que especificamente utiliza muita energia, mas vou ter impacto de forma geral em todos os processos fabris”, diz Carlos Borges, CEO da Tarjab e  vice-presidente de tecnologia e sustentabilidade do Secovi-SP (sindicato da habitação).

Isso atinge o setor em um momento já complicado de aumento de preço dos insumos. O INCC (Índice Nacional da Construção Civil) chegou a 15,25% no acumulado dos últimos 12 meses, e alguns materiais subiram muito acima disso.

Jayme Holloway, diretor de engenharia da incorporadora Paes & Gregori, afirma que muitas obras são fechadas a um preço indexado, e nem sempre as variações em seu custo são captadas inteiramente pelos índices, o que resulta em prejuízo para as incorporadoras.

A Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) afirmou, em nota, que manifesta preocupação com as notícias sobre aumento da tarifa de energia. “O tema é bastante sensível à indústria de materiais de construção, sobretudo para alguns setores, como o siderúrgico, cerâmico e de vidros”, afirmou.

Os materiais usados na construção civil são em grande parte nacionais, e por isso mais passíveis de serem afetados pela alta na tarifa de energia.

Devido ao aumento de custos dos materiais, o setor de construção civil já vem tentando ampliar a importação de matérias-primas, solicitando a diminuição de impostos.

Outro efeito temido da alta no custo da eletricidade é a redução do poder de compra dos clientes. “É um setor que estava indo bem, mas quando bater no bolso do consumidor, ele vai pensar que é melhor dar uma reformada em seu imóvel do que partir para uma aventura de compra”, diz Holloway.

A Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) compartilha dessa preocupação. “Quando o bolso encolhe, a capacidade de fazer investimentos se reduz”, diz José Carlos Martins, presidente da entidade.

A conta de luz das próprias construções também vai subir, mas seu efeito sobre o setor deve ser menor do que a alta das matérias-primas.

Um canteiro de obras gasta muita energia com equipamentos como máquinas de solda, gruas e guinchos, mas, em comparação, o gasto é menor do que em um prédio pronto e habitado, diz Holloway.

Ainda assim, é um fator a mais em um setor que já sofre com os aumentos dos preços de materiais. “Temos tarifa diferenciada para a indústria, é difícil mensurar exatamente o impacto na conta, mas é um aumento de custo que vem em hora muito ruim”, afirma Borges.

Ele ressalta que o setor está em busca de energias renováveis, mas ainda é muito dependente da eletricidade convencional.

Uma das empresas que está investindo em fontes alternativas é a incorporadora SKR. Eles pretendem instalar placas fotovoltaicas em seus novos canteiros, para gerar energia para a construção.

Segundo Gabriel Junqueira, diretor de engenharia da incorporadora, a ideia é que sobre energia elétrica, que seria revendida à concessionária. “Ao longo de uma obra você já paga o investimento nas placas, e no próximo canteiro o ganho é de 100%”, afirma ele.

Matéria Publicada originalmente no jornal Folha de S.Paulo

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Canais de venda

                       canal de venda dos imoveis são paulo Canal de vendas 11 3181 6082
corretor e atendimento online Atendimento Online
                       atendimento via whatsapp Atendimento por Whatsapp Atendimento por Whatsapp
                           atendimento venda imóveis por e-mail Atendimento E-mail

Fique por dentro!

Assinando nossa newsletter você fica por dentro de tudo que acontece com os nossos projetos e recebe todas as dicas do nosso blog em primeira mão.

Online
E-mail